quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Atraso

Hm... Que cheiro é esse? Parece... Baunilha. É bom...

Logo em seguida abri os olhos. Acordei. Senti um conforto ótimo. O sol entrava discreto pelas cortinas e o dia estava terminando. Olhei para o relógio... Ahn?! SETE E MEIA??? COMO PODERIAM SER SETE E MEIA??? Eu tinha colocado o relógio pra despertar! Dei um pulo da cama e corri pro banheiro. Meu cabelo tava uma bagunça! ''Nunca mais durmo à tarde!.'' Um banho? ''Ah, acho que não preciso. Mas e se ela perceber? Pode pensar que sou relaxado. Tá, um banho bem rápido então.'' A água estava muito gelada, o chuveiro havia queimado. ''Merda!'' Pelo menos o banho foi rápido. Procurei a calça que eu havia separado a semana toda. ''Onde está?'' O cachorro havia feito xixi nela. ''Filho da puta!'' Peguei uma outra que estava amassada. ''Vai ter que ser essa...'' Terminei de me vestir e saí correndo. Esqueci que a porta de entrada do prédio tem um defeito pra abrir. ''Ai, meu nariz!'' Saí sem olhar e de repente passa um ciclista e tromba comigo. ''Olha por onde anda, infeliz!'' Continuo indo rápido, agora mancando e com uma das mãos verificando se o nariz estava sangrando. Nada. 'Que bom.'' Pensei em pegar onibus, mas lembrei que estava atrasado. Fui ao ponto de táxi. Nenhum. Resolvi ir até o outro ponto, que ficava três quarteirões ladeira acima. Superei a dor na perna e fui. Cheguei lá, havia um. ''Que sorte!'' Assim que abri a porta do táxi, aparece uma senhora com uma criança pequena. ''Que pena, vamos esperar o próximo.'' Minha educação não me permite. ''Minha companheira entenderá. A senhora pegue este.'' Ela respondeu. ''Obrigada, você é muito gentil.'' Sou gentil mas continuava atrasado. Resolvi ir andando mesmo. O local ficava a uma certa distância, mas era possível ir andando. Se eu esperasse outro táxi, poderia demorar mais. O tempo parecia bom. Infelicidade minha. Maldita umidade. ''O tempo virou de forma surpreendente no fim do dia devido à grande quantidade de umidade no ar'', diria o jornal mais tarde, naquele mesmo dia. Heroicamente, caminhei dez quarteirões debaixo de chuva. ''Ela vai me mandar embora e só ligar de novo daqui a cinco meses.'' Eu estava a um quarteirão do local onde havia marcado meu compromisso, faltando dois minutos para o horário. Apesar de todos os obstáculos, eu ia conseguir. De forma heróica e impressionante, eu ia conseguir. Olhei para o céu, como se desafiasse alguma entidade divina que fosse responsável por tudo aquilo. Então tudo apagou.


Hm... Que cheiro é esse? Parece... Baunilha. É bom...

Logo em seguida abri meus olhos. Acordei. Ela estava ao meu lado.

-O que está fazendo aqui?

Ela fala comigo, com alívio nos olhos.

-Você foi atropelado...

Eu não me conformo. Eu estava quase lá...

-Mas eu ia conseguir...
-Conseguir o quê, querido?
-Te ver no horário.
-Me ver? Mas nós tínhamos marcado pra semana que vem...


2 comentários:

Anônimo disse...

De 0 a 10? 10.
E,ainda me fez rir...
E,muito!
Só faltava um cachorro
ter feito pipi nele,
durante o desmaio! (:
:*

ManiiPaulista disse...

Hahahaha adorei! Me identifiquei muito.... tô sempre com pressa, tô até vendo que vou me foder por isso qualquer dia. Parabéns.