quinta-feira, 8 de julho de 2010

Por que?

Por que ''Limões Vermelhos''?

Por que você tem cabelo comprido?

Por que você não acredita?

A resposta: Porque eu tenho minha personalidade.


As perguntas são perigosas. E potencialmente construtivas. Pergunte, reflita, procure saber. Tenha a humildade de questionar o que você acredita e o que te cerca todos os dias. NÃO ACEITE o que te dizem. NUNCA ACEITE. SEMPRE, todas as vezes, REFLITA, procure saber. Não seja um papagaio que apenas repete.


Algo que vi muito na minha vida (principalmente na minha época de projeto de punk) são discursos feitos. As pessoas aprendem um discurso ou ensaio ideológico, adotam pra si, e o repetem como maneira de se justificar. Preciso exaltar o quanto isso é ridículo?


Eu, pelo menos, quando adotei o discurso, fiz minhas reflexões e o modifiquei para adaptá-lo ao meu modo de vida e às minhas idéias (até perceber o quanto vazio ele era e abandoná-lo).


A questão não é ter uma base. Óbvio, toda idéia precisa vir de algum lugar. Minha revolta vêm justamente da idéia vendida, da idéia sem reflexão.


Sabe quais são as diferenças entre alguém que você conheceu que morreu desconhecido e Galileu, Einstein, Marx, Newton, Colombo? Eles refletiram. Eles desafiaram o que todos acreditavam. E mais: Provaram estarem certos.


Então, todos os dias, ao se deparar com qualquer coisa, pense: ''Será que é assim mesmo? Pode ser diferente? Por que todos acham que é assim? Por que todos pensam dessa forma? E se eu não concordar com isso?'' Qualquer coisa mesmo. Por mais supérflua que possa ser ou parecer.


Pare. Olhe. Pense.

2 comentários:

Luciano disse...

Heitor,
Você é dialética pura, sempre tentando encontrar respostas para a vida ao seu redor.
Parabéns pelo blog, é de grande valia para pensadores.

Um abraço

ManiiPaulista disse...

Da série "posts que eu queria ter escrito"...